segunda-feira, 7 de março de 2011

NOVO TECIDO


Já familiarizada com a utilização de bambus como matéria-prima para peças íntimas, a indústria da moda agora vê surgir outra opção de material, vinda da Austrália: fibra de bananeira. A marca masculina AussieBum, que exporta da Oceania para o resto do mundo, afirma que sua cueca é o 1º produto feito com o novo tecido. 

27% da peça é confeccionada com o material proveniente das bananas, sendo o restante algodão orgânico (64%)  e Lycra (9%). Lloyd Jones, assessor de imprensa da marca, garante que este é o percentual máximo que é possível obter com as plantas: “Não se pode adicionar mais fibras de bananeira pois o tecido perde consistência e potencial de absorção de umidade”.
Sean Ashby, fundador da AussieBum, elenca as principais vantagens da nova fibra, que pode ser uma boa opção para o Brasil, 2º maior produtor de banana no mundo: 
• Tecido completamente natural, feito da casca da bananeira;
• Grande maleabilidade;
• Textura lisa e macia;
• Ótima ventilação e absorção da umidade;
• Leveza e brilho.

Fonte: usefashion

VOTO



O voto é um direito de todos os seres humanos que vivem em regime democrático, que consiste em escolher individualmente o candidato que assumirá a representação de toda a sociedade. Apesar de o voto no Brasil ser obrigatório para todas as pessoas alfabetizadas com idade entre 18 e 70 anos, ele contribui para eleger uma pessoa de forma legal, já que a lei prevê que uma pessoa somente poderá assumir cargos governamentais se elegidos com maior número de votação.




Vamos avaliar essa questão de que,
 "O voto é um direito de todos os seres humanos que vivem em regime democrático"

Será que nossos LIDERES
 realmente dão atenção para o que
 é direito dos seres humanos 
deste país ??????


Neste final de semana Um programa de Televisão mostrou uma reportagem feita em tres de muitas outras cidades do Brasil que os milhões de reais que deveriam ser usados pra saúde e educação são DESVIADOS.

Curralinho (PA), São Sebastião (PA) e Tefé (AM)
Para quem não viu essa reportagem, te garanto que é de deixar qualquer um indignado.


Mostra o ponto de desvio de dinheiro público que deixa populações inteiras sem saúde, sem educação, vivendo em condições sub-humanas. O lixo que é recolhido dos Hospitais, são jogados em solo arenoso sem o mínimo de cuidado e proximo de residencia. No local, estão seringas usadas, com as agulhas prontas para espetar, ferir e contaminar. O carpinteiro Sebastião Pinto conta que o filho já se feriu no lixão. “Meu filho, o Júlio, já foi furado com agulha umas duas vezes já, com seringa. E ninguém toma providência nenhuma”, disse ele.

O professor de Infectologia Edimilson Migowski, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), ficou impressionado. “Meu Deus do céu, seringa com ponta. Porque a seringa desse jeito, qualquer outro material perfuro-cortante no ambiente hospitalar, tem que ser acondicionado em uma caixa apropriada. Essa caixa tem que ser transportada de forma apropriada, por uma equipe que foi treinada, para ser incinerado”, explica o professor de Infectologia Edimilson Migowski, da UFRJ.
 Alguém que for tentar catar lixo ali para poder reciclar uma garrafa pet, por exemplo, pode se ferir. Ao se ferir, pode então adquirir algumas doenças. As principais são hepatite B, hepatite C ou o próprio HIV”, ressalta o professor de Infectologia Edimilson Migowski, da UFRJ.
Seringas em lixo publico não são os únicos problemas destes municípios. Em São Sebastião da Boa Vista, os cidadãos têm dificuldade de marcar consulta no hospital público, tendo de esperar várias horas para marcar o exame. Em Tefé, enfermeiros e técnicos de enfermagem trabalham no lugar de médicos. Eles fazem consultas e prescrevem remédios sem diagnóstico feito por um médico. “A verdade é que no município a maior parte do serviço do médico quem faz são os técnicos de enfermagem, não por irresponsabilidade, mas por não querer se omitir ao atendimento”, diz o vereador Reinaldo de Souza e Silva, de São Sebastião da Boa Vista. Em atendimentos feitos sem a orientação de um médico, podem haver danos à saúde dos pacientes. “Esse remédio é usado diariamente aqui. Todo santo dia, qualquer paciente toma esse remédio, a gentamicina. É um remédio que é feito diretamente aqui para todos os pacientes. É um antibiótico, antiinflamatório. Acredito que seja isso. Para dores musculares. Tudo foi receitado por um enfermeiro”, comentou uma técnica em enfermagem. Em um único dia, esse antibiótico foi receitado pelo menos 21 vezes. “A gentamicina pode provocar dano tanto ao rim quanto ao ouvido. Não pode ser passado de qualquer maneira”, alerta o presidente da Associação Médica do Estado do Rio de Janeiro, Carlindo Machado e Silva.

Atendimento médico e reutilização de material: Segundo o vereador e prefeito interino de São Sebastião da Boa Vista, Doriedson Teixeira da Silva, um médico ganha cerca de R$ 1,3 mil por dia para consultar 15 pessoas de manhã e dez à tarde. "Depois, ele não atende mais e vai para o consultório dele particular”, diz o vereador.


Este é o caso do médico Itamar Cardoso. Em um mesmo dia, ele atende no hospital público e depois no consultório particular, onde está o único aparelho de ultrassonografia do município.“No dia em que ele está batendo ultrassom, ganha como ultrassom, como médico de ultrassom, e ganha também como médico do nosso município. Ele acumula dois salários só em um dia”, disse o prefeito interino.
Há problemas também com reutilização de lâminas para exames, que são lavadas no banheiro. “Se você tiver que reutilizar um material. Uma lamina de vidro, por exemplo, tem que ser autoclavado. Autoclavar é um aparelho que esteriliza realmente. Ele é a uma temperatura extremamente elevada que mata vírus, mata bactéria”, disse o infectologista, Edimilson Migowski.

Essa precariedade ocorre em um município com altíssimo índice de malária, cerca de metade dos 28 mil moradores já contraiu a doença. Muitos deles, mais de uma vez. “Aqui na minha casa todo mundo já pegou malária. Meu pai pegou 14 vezes já. Eu peguei cinco. Todos os anos, nós pegamos”, afirmou o estudante Michel Gonçalves.

São milhões de reais que o Governo Federal libera para a saúde, a educação, o saneamento em cidades do interior, mas esse dinheiro some. SIMPLESMENTE SOME e ninguém sabe direito para onde vai.
Curralinho, outra cidade apontada pela CGU como tendo desvio de verbas públicas, possui 28 mil habitantes e fica a 12 horas de barco de Belém, capital do Pará. Na cidade, o repórter Eduardo Faustini encontra o mesmo problema: seringas usadas misturadas com o lixo comum.


O que me tira do serio é saber que tudo isso acontece aos olhos de todo país, e ninguém da atenção, e o engraçado que a lei brasileira obriga que todos a votar,
 (GRANDE DEMOCRACIA.rs ) Mas votar em quem, qual a opção mais segura de voto? Para onde nossos politicos estão olhando? É preciso que aconteça o que para que todos se mobilizem? 

Postagens populares